Sábado, 2 de Maio de 2009

Funcionamento da Língua

Funcionamento da Língua
Frase simples Tipos de Sujeito
Tipos de Predicado
Sintagma Nominal e Sintagma Verbal - nível 1
Sintagma Nominal e Sintagma Verbal - nível 2
Sintagma Nominal e Sintagma Verbal - nível 3
Sujeito e Predicado nível 1
Sujeito e Predicado nível 2
Sujeito e Predicado nível 3
Verbos Transitivos e Intransitivos
Adjectivos com Função de Atributo
Redução e extensão de frases Redução de frases
Frase complexa Coordenação
Subordinação
Conjunções

 

SUJEITO  

Sujeito — Para pensar e falar das coisas, recorremos, em português, à predicação, distinguindo um ser da acção ou processo que lhe atribuímos.

O Pedro lê um livro.

Verificamos que um dos constituintes desta frase serve para identificar o ser de que falamos — "O Pedro", enquanto o outro exprime a acção que lhe atribuímos — "lê um livro". O primeiro é o sujeito e o segundo o predicado.

Sujeito simples — É aquele que designa um só ser ou um conjunto de seres.

O carro é meu.
As crianças gostam de praia.

Sujeito composto — É aquele que designa dois ou mais seres ou conjuntos de seres, considerados independentemente.

O António e a Sofia são irmãos.

Para que o sujeito seja composto é necessário que os seres ou conjuntos que o constituem sejam diferenciados.

O António e a Sofia são irmãos. (sujeito composto)
Eles são irmãos. (sujeito simples)

Sujeito subentendido — É aquele que, sendo conhecido, não está expresso na oração.

O António e a Sofia são irmãos e estudam juntos.

A segunda oração tem o mesmo sujeito da primeira e por isso não é necessário exprimi-lo.

Sujeito indeterminado — Trata-se de um sujeito que não podemos, ou não queremos, identificar. Normalmente implica a colocação do verbo na 3ª pessoa do plural ou na 3ª do singular acompanhado do pronome se.

Dizem que vai haver eleições.
Diz-se que vai haver eleições.

Orações sem sujeito — Há em português alguns processos que não são atribuídos a qualquer sujeito. Diz-se então que o sujeito é inexistente:

• verbos meteorológicos (chover, nevar, trovejar, etc.);

Ontem, choveu muito.

• verbo haver, usado no sentido de "existir";

muita gente preocupada.

• verbo ser, quando indica tempo;

É amanhã que fazemos teste.

• verbos ir, fazer e haver, quando indicam tempo decorrido.

Vai para quinze dias que não nos vemos.
Faz quinze dias que não nos vemos.
quinze dias que não nos vemos.

Representação do sujeito

O sujeito pode ser representado por
um nome ou pronome,
um numeral,
uma palavra ou expressão substantivada (utilizada como nome),
uma oração.

O meu irmão saiu.
Ele saiu.
Tudo é importante.
Os três encontraram-se lá em casa.
É preciso que todos nos respeitemos.

PREDICADO  

O predicado, constituinte essencial da oração, é aquilo que se declara acerca de um sujeito.

O núcleo do predicado é sempre um verbo, daí que ele assuma formas diferentes, conforme a natureza do verbo.

Predicado verbal — É constituído por um verbo significativo, que podem ser intransitivos ou transitivos.

Verbos intransitivos — São aqueles que possuem sentido completo, não carecendo, por isso, de qualquer complemento.

O meu sobrinho já nasceu.

Verbos transitivos São aqueles que, possuindo embora significação, se revelam insuficientes para exprimir integralmente a acção, precisando, portanto, de ser completados.

Esse complemento pode ligar-se directamente ao verbo (complemento directo) ou por intermédio de uma preposição (complemento indirecto). Em alguns casos o verbo exige os dois tipos.

Os rapazes jogam futebol. (CD - "futebol")
O presidente falou ao país. (CI - "ao país")
A Maria escreveu uma carta à tia. (CD - "uma carta", CI - "à tia")

Predicado nominal — O núcleo do predicado é um verbo de ligação (verbo copulativo, ou verbo predicativo), sem significação definida, pelo que exige a presença de um elemento que lhe conceda sentido. Esse elemento designa-se predicativo do sujeito.

Esta paisagem é bonita. ("bonita" - predicativo do sujeito)

Os principais verbos de ligação são: ser, estar, parecer, andar, continuar, ficar, permanecer...

Só o verbo ser é sempre copulativo. Os restantes são verbos de significação definida que, em certos contextos, perdem o seu sentido próprio e funcionam como copulativos.

O meu irmão está em casa. (verbo significativo)
O meu irmão está doente. (verbo copulativo)

Além dos indicados, há outros verbos significativos que podem ser usados como copulativos.

 

COMPLEMENTO DIRECTO  

Complementos do verbo — O verbo é o núcleo do predicado. Por vezes é suficiente, por si só, para exprimir a acção atribuída ao sujeito. Diz-se então que o verbo é intransitivo, porque a acção não "transita", não passa para um complemento:

O actor F morreu.
Nasceu a filha da princesa X.
O equilibrista caiu.
O Ministro da Agricultura chegou ontem de Bruxelas.

Por vezes e existência junto ao verbo de outros elementos pode induzir-nos em erro. No último exemplo apresentado, verificamos que a oração não termina no verbo ("ontem", "de Bruxelas"). No entanto, esses elementos não são complementos do verbo: limitam-se a explicitar algumas circunstâncias que envolvem a acção — o tempo e o lugar. São, portanto, complementos circunstanciais, que estudaremos em outro lugar.

Há no entanto muitos outros verbos que necessitam de um complemento para caracterizar com clareza a acção atribuída ao sujeito. São os verbos transitivos, assim designados porque a acção "transita" ou passa do verbo para um outro elemento. Trata-se do complemento directo e do complemento indirecto.

Vejamos o que caracteriza o complemento directo.

Complemento directo — Indica o ser sobre o qual recai directamente a acção expressa pelo verbo.

O meu pai comprou um carro.

Neste exemplo, encontramos um sintagma que representa o sujeito e um verbo para exprimir a acção atribuída ao sujeito (comprou). No entanto, o verbo revela-se insuficiente para caracterizar de forma clara a acção; daí a necessidade de introduzir um novo elemento (complemento directo) para identificar o objecto sobre o qual recai a acção.

Este complemento diz-se directo, porque a acção "transita" directamente do verbo para o complemento, sem recurso a um elemento intermediador.

Então, a oração pode ser representada do seguinte modo:

Oração
Sujeito + Predicado verbal
Sujeito + Verbo trans. directo + Compl. directo
O meu pai   comprou   um carro

 

COMPLEMENTO INDIRECTO  

Complementos do verbo — Sabemos que os verbos transitivos podem ter complemento directo, complemento indirecto, ou ambos. Vejamos agora o caso do complemento indirecto.

Complemento indirecto — Alguns verbos transitivos exigem a presença de um complemento que identifique o ser sobre o qual se exerce indirectamente a acção expressa pelo verbo, isto é, o paciente da acção. Esse complemento é geralmente introduzido pela preposição "a". É a presença desse elemento intermediador (a preposição) que justifica a classificação de complemento indirecto.

O Miguel escreveu ao tio.

Em esquema, essa situação pode ser representada da seguinte maneira:

Oração
Sujeito + Predicado verbal
Sujeito + Verbo trans. indirecto + Compl. indirecto
O Miguel   escreveu   a + o tio.

Frequentemente um verbo exige a presença dos dois complementos (directo e indirecto), classificando-se então como transitivo directo e indirecto. É o que acontece na frase

Eu mandei um postal ao Pedro.

que pode ser representada esquematicamente assim:

Oração
Sujeito + Predicado verbal
Sujeito + V. tr. dir. e indir. + Compl. dir. + Compl. indir.
Eu   mandei   um postal   a + o Pedro

 

 

 

assuntos do blog:
publicado por ana às 16:09
link do post | comentar | favorito
|
Este Blog dedica-se à postagem de fotos,artigos e videos que circulam livremente na internet. Qualquer anomalia ou problema de funcionamento e/ou copyright não é da responsabilidade deste Blog, dado que o mesmo se baseia em hiperligações ou links. Eventuais reclamações e outras solicitações deverão ser feitas unica e exclusivamente nas respectivas fontes de origem. Ana Márcia

.mais sobre mim

.assuntos do blog

. à / há / ah

. a narrativa

. acentos gráficos

. acentuação - regras

. adivinhas

. adjectivos - comparativos e superlativos

. advérbio

. antónimos

. aprender

. artigos

. artigos definidos e indefinidos

. categorias da narrativa

. classe dos determinantes

. classes de palavras

. classificação das vogais

. classificação de palavras

. classificação dos ditongos

. composição

. concordância verbal

. conjugador de verbos

. cuidado com a língua

. desafio

. desafios

. é bom ler….

. endereços úteis

. escritores

. exercícios e testes

. expressões idiomáticas

. forma de frases

. formação de palavras

. funcionamento da língua

. graus dos adjectivos

. grupo nominal e grupo verbal

. hino portugal

. homófonas e homógrafas

. interjeição

. interjeições

. interpretação - 6º ano

. jogos

. lengalengas

. léxico - animais

. língua portuguesa

. língua portuguesa on line

. livros para download

. locuções adverbiais

. morfologia verbal

. nomes

. nomes colectivos

. novo acordo ortográfico

. novo programa de português do ensino bás

. o português nos palop’s

. obras dos 27 estados

. onomatopeias

. oração - elementos essenciais

. ortografia 6º

. palavras homónimas

. parágrafo

. plano nacional de leitura

. plural de palavras compostas

. poema antónio torrado

. poesia

. pratica

. preposições

. pronomes

. pronomes pessoais

. prova de aferição

. provas de aferição

. provérbios

. receita

. relações entre as palavras

. silaba

. sílaba e divisão silábica

. sílabas

. sílabas tónicas e sílabas átonas

. sinais de pontuação

. sinais gráficos

. sinónimos

. sinónimos e antónimos

. sintaxe: frase simples e funções sintáct

. sítio para pais

. sons

. sophia de mello beyner andresen

. técnicas de escrita

. tempos verbais 5º ano

. tipos de frases

. tipos e formas de frase

. tipos e formas de frases

. translineação

. trava línguas

. trava-línguas

. uso do hífen com prefixos:

. utilidades

. vamos jogar

. verbo ser

. verbos

. vídeos

. vocabulário

. webquests

. todas as tags

 

Mais  Disciplinas que fiz

 

 

 

 

 

 

 

se quiseres

dar sugestões

manda-me

um mail

 

 

 

 

 

 

 

Provérbios e Adivinhas

 

 

 



Livros para escutar

(basta clicar, mas não substitui

a leitura em papel)

 


Texto: Rita Taborda Duarte;
ilustração: Luís Henriques;
edição: Editorial Caminho

 

Texto: Davide Cali; ilustração:

Serge Bloch; edição: Bruaá

Texto: João Manuel Ribeiro;

ilustração: Flávia Leitão; edição:

Trinta por Uma Linha

Texto: João Paulo Cotrim;

ilustração: Pedro Burgos; edição:

Calendário de Letras

Texto: Isabel Minhós Martins;

ilustração: Bernardo Carvalho;

edição: Planeta Tangerina

Texto: Carla Maia de Almeida;

ilustração: André Letria; edição:

Editorial Caminho

 

Autores para ouvir
(clicar na imagem)

Entrevista a Maria
Keil (Pública, 15-07-07)
"Artista ou operária?"

Laurentino Gomes (em Portugal)
fala da fuga da corte para o Brasil
Álbuns de ilustrações
(clicar na imagem)

Ilustrarte 2007, Bienal
Internacional de Ilustração
para a Infância

Truth and Tales, exposição de
ilustradores finlandeses

 

 


online
RSS

Ler é demais!

 

 

 

 

  Cuidado com a língua

   

               VÊ aqui

 

   HISTÓRIAS PARA
    OUVIR E LER

Os nossos grandes poetas 

ditos por Joâo Villaret

 aqui

 

 

 

 

 

 

 

 

 links úteis...

 

Hospitais Públicos
Centros de saúde
Escolas Públicas
Associações
Farmácias Serviço
Bibliotecas
Museus
Parques e Jardins
Parques Zoológicos
Legislação
Segurança Infantil
Emergências
Crianças
    Desaparecidas
 

     

       links

 


 Nascimento do Blog

Nascimento do Blog 
23 de Outubro de 2006

 

Janeiro 2009

 

 

 

 

 

 

 

 

Recados Para Orkut

 

Myspace Layouts & cursors

 

 

WEBQUESTS

          A Língua Portuguesa no Mundo

       
  A Língua  Portuguesa - a história da evolução

       
  O Magusto

       
  Categorias da Narrativa

          Lendo Fábulas

 
     
 A Menina do Mar

 
     
 Caça ao adjectivo

 
     
 Tipos de Frase

 
       Ulisses

 
     
 Uma Aventura pela obra Ulisses

 

Não cometam estes erros!

.arquivos

. Abril 2011

. Junho 2010

. Março 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009